sábado, 14 de fevereiro de 2009


PLENILÚNIO




MARCELO NOVAES










O primeiro quarto do caminho
era de fósforo e estrela. E cheio
de cicatrizes era meu rosto, por
antigo acidente automobilístico.
E eu não sabia resolver o conflito
com as oito cirurgias que havia feito,
que só repararam, do meu rosto, um
oitavo. Faltava o resto. Faltavam sete.





O segundo quarto do caminho,
era pranto, ócio e glóbulo branco
- tentei algo que não afetasse meu
organismo de modo invasivo: ato
homeopático arrematando antigos
anestésicos, cirúrgicos, que me
deixaram o branco no cérebro
[fazendo crer que o resto do
caminho seria todo plenilúnio
do infortúnio, ou céu toldado
em véu, nublado, azul
marinho...].





No terceiro quarto, sentei-me
em escada de pedra coberta de limo
e mirei meu rosto em bendito lago de
vidro - porque mais perto não poderia,
ter sido, por escorregar e trincá-lo, com
essas unhas e calos. E da distância em
que medi-me, me vi em rosto liso,
como sempre pretendera.





Abriu-se sobre a minha cabeça, uma
fresta no céu, qual fosse janela. E eu
interroguei-me sobre todos os fatos
dos três quartos do caminho. E meu
refeito rosto exibia resposta por si
mesmo, a cada pergunta feita em
voz alta. A luz variava segundo
o ângulo da questão que me
propunha, exibida em feição
medida. [Era de dar inveja a
Oscar Niemeyer, aquela
construção. Vou mais
longe: daria inveja até
mesmo ao Conde de
Saint Germain...].





Não sei quem fez tal arranjo, quem
era o Observador ou Arquiteto. Cheguei
a imaginar a Sombra d'Aquele Braço sobre
meu ombro direito, por detrás. Mas não
ousei me virar. Tudo era íngreme demais.
Do mecanismo todo, não soube o Dono,
não me coube o servo, nem o capataz.





As nuances de minhas expressões faciais
foram suficientes. Já eram. As variações
de luz bem casaram com meus olhos,
com meu queixo, com meus lábios.
E ficou claro que o último quarto
do caminho seria simples, sem
peso de cicatrizes: século
sagrado e sagrado século.

5 comentários:

Joe_Brazuca disse...

meu Caro !

Que surpresa boa foi encontrar o teu blog !...Voce escreve espetacularmente !

Muito bom !

abraço

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

JOE,
O POEMA É LINDO, EMBORA NÃO SEJA MEU. O POEMA É DE MARCELO NOVAES.
OLUGARQUEIMPORTA.BLOGSPOT.COM
ESSE É O BLOG DELE.

UM ABRAÇO

WELLINGTON GUIMARÃES

Marco disse...

Wellington,
vim retribuir a sua amável visita ao meu guarda-louças de velhas emoções. Gostei muito do seu texto. De extrema sensibilidade. A construção é veramente inspirada. Parabéns.

Marco disse...

Rapaz, fui ler os comentários e vi no seu que o autor não é você!
Bem... mas voc~e teve muito bom gosto em trazê-lo para os nossos olhos.
Carpe Diem.

sexwm disse...

Tudo sobre sexo, não se preocupe, é um blog com finalidades 100% construtivas, sexo saudável é lá mesmo. Perguntas, dúvidas, questionamentos, críticas, ainda bem que existe o post anônimo, aproveite. Dê uma conferida, o blog está bem legal, vocÊ vai gostar. Afinal de contas quem não gosta de saber e falar sobre sexo? www.sexwm.blogspot.com